Pesquisar este blog

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

A LINHA DA VIDA - DENISE FRANÇA

CURITIBA, 25 DE FEVEREIRO DE 2013.


HOSPITAL EVANGÉLICO DE CURITIBA:  CASO VIRGÍNIA LEMOS, U.T.I.

A linha da vida circunda o monte de Vênus... A U.T.I. do Hospital Evangélico de Curitiba, circunda o espírito da ciência, médicos e médicas, pára-médicos, enfermeiros, entram e saem...

Eu entrei no U.T.I. do Hospital São Vicente. Carmencita me ligou, seu marido estava muito mal, nesta U.T.I, e ela me recomendou que levasse um Capuchinho para fazer a extrema-unção....

Eu contatei com o Capuchinho Frei Hélio, e chegamos lá....  Ele foi acompanhado até a U.T.I. para efetuar e administrar esse propósito.... Não demorou muito, Frei Hélio desceu, estava suado... Carmencita pediu uma foto dos dois, eu tirei. E depois ela tirou uma foto de nós dois e depois, levamos o Frei Hélio até a Praça Tiradentes... conversamos andando pelas ruas de Curitiba....

Depois, Carmencita e eu voltamos ao Hospital e fomos juntas até a U.T.I. olhar seu marido, Coronel da Aeronáutica....  Colocamos dois jalecos, luvas, e ficamos ali, olhando o paciente.... Carmencita não parava de falar....

Olhei o peito do Coronel, em grande parte estava com sangue coagulado... Olhei o resto, o que me diz que esse homem está morto?!  O médico entrou e disse para nós duas: "Esta noite ele teve duas arritmias no coração e quase se foi.... Vocês tem que aceitar, não há mais o que fazer.... A qualquer hora...".

O fato é que o Coronel está lá há bastante tempo... E Carmencita disse que o estado dele, é lamentável... Cheiro ruim, enfim.... o câncer corrói suas entranhas....

O que me diz que alguém está vivo?!  O que me diz, se a morte chegou...

A CIÊNCIA, e o perfume da vida...

O espírito dos mortos...

A dignidade para viver e a dignidade para morrer....  Os SINAIS DO CORPO, a pulsação, a respiração, o fluxo do cérebro....

Eu estive duas vezes no HOSPITAL EVANGÉLICO, no pronto socorro... Uma dessas vezes, porque tinha cortado meu pé, tinha feito um talho na sola... Mas não levei pontos, e a cicatrização aconteceu do mesmo jeito....  AS CICATRIZES SÃO REAIS...

A outra vez que estive ali segurava uma jarra nas mãos... O médico disse: beba, e espere o resultado... Fiquei ali esperando o resultado... NADA ACONTECEU... Nem diarreia  nem vômito, nada... Voltei para casa, em VIDA MACIÇA SENSÍVEL....

A LINHA DA VIDA CIRCUNDA O MONTE DE VÊNUS...  

O que nós sabemos sobre a vida, o que os médicos sabem sobre a VIDA... Muito pouca coisa.... Conhecem o funcionamento do corpo, usam as tecnologias necessárias para manter o sujeito vivo.... MAS SOBRE A VIDA, POUCA COISA SE SABE....

EXISTEM PESSOAS QUE NUNCA SABERÃO NADA SOBRE A VIDA....

Qual a minha opinião sobre isso tudo?!

De um jeito ou de outro, nós atravessaremos essa linha...  A dignidade em viver deve ser a mesma dignidade em ser conduzido até o fim-da-linha...

Eu não sei se essa senhora, Virgínia, olhou para o sujeito ali, e disse, fim-da-linha, abaixe o respirador, até que ele morra... Não sei....  

Não sei, mas ela sabe o que fez durante esses anos todos... Ela sabe exatamente o que estava pensando, qual era a sua intenção, qual era o propósito, o que determinava sua conduta, ali na UTI DO HOSPITAL EVANGÉLICO....

Eu imagino que esta Senhora, Virgínia, procurou se defender de todas as ACUSAÇÕES que começaram a pesar sobre ela....  E para isso, contratou um advogado, ELIAS MATTAR ASSAD.

E, o doutor Elias começou a se defender também das acusações que pesam sobre ele, por assimilar esta defesa....

Mas o DOUTOR ELIAS, está cumprindo sua função, ele também NÃO SABE O QUE ACONTECIA NESTA U.T.I ESSES ANOS TODOS....

O DOUTOR ELIAS, NÃO SABE.  Só sabem os médicos, enfermeiros e esta médica em especial... 

A polícia está prendendo os médicos acusados.... A POLÍCIA TAMBÉM NÃO SABE O QUE ACONTECEU NESTA U.T.I.  

Os familiares de pessoas que ali estiveram, acusam a Doutora Virgínia... Outros médicos a defendem... e assim por diante....

EU PERGUNTO: O QUE VAI CONSIDERAR A DOUTORA VIRGÍNIA INOCENTE OU CULPADA?! a ordem legal de tudo isso, de todos os fatores, de todas as provas, de todos os meandros ou simulacros, burocráticos ou não, evasivos ou incisivos, deste FUNCIONAMENTO.....

O NEXO CAUSAL.... ATÉ ESTE SE SUPÕE EM CRISE.... ou, talvez, O SEXO CASUAL NOS ALIVIE... UM POUCO.... destas prerrogativas carnais, o suspensório da morte...

Porém, dirá alguém: OS MORTOS FALAM....  o que há de falaz na lei, na perpetuidade de um modus operandi, quem saberá?? 

A LINHA DA VIDA absorve TODAS ESSAS COISAS, creiam, alquimicamente, além da ciência, além do receio, além do silêncio, além disso, alinhava-nos uns aos outros, com um sentido e direção particulares....


A LINHA DA VIDA ALINHAVA-NOS UNS AOS OUTROS.










AMOR - DIADORIM SABIÁ

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

SOMOS RESPONSÁVEIS POR AQUELES A QUEM CATIVAMOS?! - DENISE FRANÇA

Curitiba, 22 de fevereiro de 2013.

COMENTÁRIO AO VÍDEO DO DOUTOR FLÁVIO GIKOVATE: SOMOS RESPONSÁVEIS POR AQUELES A QUEM CATIVAMOS....

O Pequeno Príncipe, lindo livro, cheio de ternura.... O Pequeno Príncipe é uma criaturinha maravilhosa, que certamente não pertence ao nosso mundo.... Existem criaturas assim.... mas são raras....

Vou abrir o meu comentário aqui, com uma experiência pessoal:  eu diria, mais ou menos assim, SE JÁ NÃO BASTASSE.... Pois é, se já não bastasse tudo aquilo que uma pessoa boa faz em prol de outras pessoas, se já não bastasse ouvir certas críticas a essa forma de vida, se já não bastasse.... CHEGA UM ESPÍRITA CARDECISTA, OLHA VOCÊ E DIZ: "Possivelmente é em consequência das vidas passadas, você está pagando o que fez lá atrás....."   (hahahahaha).

POIS É, SE JÁ NÃO BASTASSE.... Infelizmente, essa criatura maravilhosa, o Pequeno Príncipe, não pertence a este mundo. E aqui, deveríamos ser responsáveis por nossos atos, e a consequência deles sobre a vida das demais pessoas.  Queiramos ou não, a nossa atitude diária tem reflexo, se eu abandono o meu filho numa lixeira, para que morra, e eu não precise me responsabilizar pela vida dele nos primeiros meses.... caso esta criança sobreviva por uma sorte do destino, necessariamente vai contar e precisar da atenção de outras pessoas, que nada tem a ver com a minha vida particular, com a minha "irresponsabilidade"  diante deste acontecimento....

Muitas mulheres, além de terem os filhos, e jogarem em qualquer lugar, esperando que estas criaturas recém-paridas morram à míngua .... mais tarde, SE ISSO NÃO BASTASSE, ainda aparecem de não sei aonde, para reivindicar estes filhos que acabaram encontrando um lugar de acolhimento....

POIS É, SE JÁ NÃO BASTASSE...

Outras criaturas, como os cães por exemplo, milhares de cachorros abandonados nas ruas, com bicheiras abertas, sofrimento terrível.... E aí se formam as correntes de protetores que usam as horas de sua vida, para conciliar este problema que não pertence a eles.... Mas são estes protetores que fazem o possível para equilibrar este mal....

Pessoas inescrupulosas que criam cachorros e estes chegam à longevidade cegos e são abandonados  nas ruas.... sem o menor escrúpulo.... IRRESPONSABILIDADE DESTAS PESSOAS, que tem consequência sobre a vida de outras pessoas....

E ASSIM POR DIANTE, NUMA VASTA CORRENTE DE IRRESPONSÁVEIS....

Se nós tivéssemos responsabilidade sobre o que fazemos, certamente essas coisas não estariam assim tão desenvolvidas à beira da calamidade pública....

CONCORDO COM O DOUTOR GIKOVATE. Não sou responsável pela irresponsabilidade do outro.... Não sou responsável pela vida de ninguém.... Mas as consequências dos atos irresponsáveis de terceiros, recai sobre a nossa vida diariamente....,  e de todas as formas possíveis...

Se eu dedico tempo da minha vida para ajudar alguém, ISSO DEVE SER LEVADO EM CONSIDERAÇÃO, DEVE SER RESPEITADO, PORQUE É O TEMPO DA MINHA VIDA. 

DIFERENTE DE EU QUERER ME COLOCAR NUMA SITUAÇÃO DE PRIVILÉGIO PORQUE DEVOTO ESSE TEMPO AO OUTRO... MUITO DIFERENTE....

Existem diferenças e níveis.... FAMÍLIAS QUE ABANDONAM UM IDOSO, PAI E MÃE, COLOCAM  NUM ASILO E RECHAÇAM ESSA REALIDADE DE SUAS VIDAS, PRECISAM QUE OUTRAS PESSOAS CUMPRAM ESSE COMPROMISSO DE CUIDAR DESTES IDOSOS....  ou então, jogaremos as pessoas idosas nas ruas, da mesma forma como os cachorros são abandonados.....

Da mesma forma todas as instituições  que tratam desse tipo de problemas, e ou situações onde alguém acaba ajudando as pessoas em questão.....

Enquanto somos fortes, enquanto temos saúde, condições para continuar em frente, tudo bem, é compreensível... Mas pessoas que não podem mais se cuidar, e não tem meios materiais para tal, realmente, meus caros, é uma situação trágica, aonde essas outras pessoas vem ocupar este lugar e usam o tempo de suas vidas para cumprir esse serviço, esse auxílio....

ISSO DEVE SER RESPEITADO, ENQUANTO ESTAS PESSOAS CONTINUEM ATRIBUINDO A OUTROS DE FORA, O QUE SERIA DE SUA RESPONSABILIDADE.... 



domingo, 10 de fevereiro de 2013

AS ESTRELAS DO CÉU - DENISE FRANÇA

Curitiba, 10 de fevereiro de 2013.


Por acaso enxergamos aquilo que vemos?!

Talvez a gente enxergue apenas a nossa altura, ou a medida do homem.  Ou os nossos olhos não foram feitos para ver outras coisas. Coisas empegáveis, sem limites, sem fronteira.

O CARNAVAL, então chove, e as estrelas se retiraram, por um momento a avenida era só brilho, brilho de tudo, o brilho do POVO. 

EXALTAÇÃO.

Fiquei à margem, segurava em minhas mãos uma trágica parte de mim... Olhei para as luzes da avenida, o povo era a avenida, e chegavam no samba até o fim, e depois descansavam suas fantasias...

Eles atravessaram a avenida, vestidos de uma oportunidade, de um sonho, de uma espera, e volveram em um sorriso de vitória. 

Fiquei à margem, quieta, olhando, em silêncio, esperando que surgisse...  Voltei para casa, existe a necessidade que me aguarda, a outra vida precisa de mim, espera por mim....

De ontem pra hoje, ainda chove, alguém carregou sem o meu consentimento uma parte de mim...  Eu fui de encontro a isso, engraçado, emocionada por tão pouco, ou eu realmente sentia a pulsação do meu coração mais forte...

Andei, andei, todas as vezes eu sinto as areias do deserto, mesmo se chove, e se olho para trás, é como se tivesse dado adeus, e deixado o meu sentido por onde passei... 

Enxergo. 

Eu andei, o meu coração se chocou ao seu, inevitavelmente, porque a vida é assim, as palavras descansam, ou ficam suspensas, ou se tornam escudos colocados à frente em razão do desconhecimento que sempre chega antes, e o coração nos avisa à galope sua chegada, e vai alardeando as fronteiras, e causando essa estranha PRESENÇA da outra pessoa em nossas vidas. 

Isso beira ao AMOR, os penhascos íngremes da procura, lá em cima o vento nos aborda e declara a sua passagem... 

Precisamos então, deixar de entender, e nos reconciliar com o destino, e habitar este outro espaço que agora se torna concreto.  

ATRAVÉS DE MIM, VOCÊ PASSA....  


sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

POR QUE SOMOS CURIOSOS - DENISE FRANÇA

Curitiba, 08 de fevereiro de 2013.

COMENTÁRIO AO VÍDEO DO DOUTOR FLÁVIO GIKOVATE: POR QUE SOMOS CURIOSOS?

Caríssimo Doutor Gikovate, hahahaha, é sempre um prazer escuta-lo no youtube, ou na CBN... assim como ler os seus textos....

Estava pensando sobre as suas palavras, e me veio a figura de EINSTEIN, e aquilo que ele dizia sobre a curiosidade científica....  O Universo em expansão. Sim, o universo sempre em expansão.... Se pensarmos a esse respeito, a primeira coisa que nos vem, é a fusão dos elementos, e disso a criação de outros campos... Pelo menos foi o que me ocorreu....

A criança, sem dúvida, e disso eu posso falar melhor do que muitas pessoas, estive em contato com crianças a minha vida toda..., as crianças não param de descobrir e recriar.... com qualquer coisa, podem ser pedrinhas e tampinhas, tampinhas coloridas.... Aliás, as minhas tampinhas coloridas existem até hoje.... hahaha.  Elas passam momentos fecundos contemplando tudo ao seu redor, movimentando, adicionando, procurando, recriando....

O que eu sempre percebi, com tristeza, o movimento das mães ao redor dessas crianças, um movimento sempre de retensão, de parada, de recusa, de suspensão, de direcionamento para algo que elas decidem e não as crianças.... O movimento das mães tem esse caráter de tornar a elas, ou seja, para dentro, não para fora. Elas procuram intensificar essa dependência inicial, para reabastecer seu próprio ego maternal. Existem mães obsessivas que chegam ao ponto de isolar os filhos de todo o resto....    Não estou falando do cuidado, O CUIDADO NECESSÁRIO COM ESSE FILHOTE DE HOMEM INDEFESO...,  mas da própria maternidade, a obsessividade em segurar a criança, e manipular todos os critérios de espaço e vida da criança em razão do seu próprio, ou o que é pior, para elas, as mães, terem o menor trabalho possível com seus filhos....

Puxa vida, mas que "sacanagem" com as mãezinhas....  Infelizmente, a maior parte faz isso.

Esses dias eu estava pensando que o ser-humano tornou-se autômato: não desenvolve, segue sua conduta em razão dos cumprimentos legais, por medo da autoridade e não pela sua capacidade de diferenciar o certo do errado, a necessidade de dinheiro, o emprego imediato em razão desta necessidade, a ganância empresarial, e uma série de outros fatores. O tempo da pessoa para si próprio é reduzido,  o sujeito funciona para o trabalho, na maioria das vezes não gosto realmente do que faz, o faz por necessidade, executa suas funções sem pensar, não pode exercer a sua análise crítica dos elementos que compõe a sua realidade familiar ou profissional, e isso ao longo dos anos o torna simplesmente afásico e apático á possibilidade de transformação.... 

À  CRIATIVIDADE É IMPRESCINDÍVEL A TRANSFORMAÇÃO....

Nos finais de semana, este homem, autômato, se apavora com o tempo "livre", um dia ou dois, e não sabe o que fazer, a sua capacidade de criar, produzir, inventar e reinventar a realidade está praticamente nula, ele deita-se no sofá, dorme, sucumbe. Ou então, se embriaga ou se entope de alimentos de toda a natureza, CONSUMISMO EXACERBADO, introjeção na tentativa de produzir alguma coisa eficaz para o vazio interior....

E assim sucessivamente, desde a adolescência até a maturidade, e daí em diante. O ser-humano perdeu a sua capacidade de criar, de escolher, de determinar, de pensar por conta própria.  

E entra em pânico quando se vê sozinho em algum lugar, isolado, ou sozinho por uma razão casual....  

E é interessante pensar neste PAVOR de se ver sozinho, de se encontrar sozinho, de caminhar sozinho, porque  eu imagino que esse homem ao acordar e olhar-se no espelho, não há esse reconhecimento de si próprio. E isso realmente é GRAVE E RELEVANTE em nossos dias...

Este homem não consegue mais se INTEGRAR a sua própria imagem....  E, quando ele se depara com esta imagem, em sua solidão arbitrária ou casual, encontra ali alguma coisa que desconhece, e pela qual tenta fugir, ou se manter distante. E por isso procura todas as formas de fuga DISSO, em grupos de amizade pouco recomendados, ou usando a tecnologia para contatar com pessoas numa sempre realidade superficial, vazia, sem compromisso real, sensível....

Muitas pessoas dizem pra mim: "Nossa, Denise, não sei como você consegue....". Essas  pessoas se referem ao fato de eu viver sozinha, e andar sozinha, e habitar outros espaços diferentes da minha realidade pessoal, sozinha.... E eu sempre brinco e respondo a elas: "Porque a minha companhia é muito agradável....".

Eu realmente já senti esse pânico da solidão, quando era jovem.... Porque toda e qualquer pessoa é criada desta maneira, acreditar e viver em família, ou em grupos, etc e tal.... Mas eu passei por  uma separação, por uma situação limite na minha vida, e fui até o fim deste questionamento sobre o medo da solidão, e sobre os vínculos que a sociedade nos impõe, socialmente falando, casamento, e uma série de outras coisas.... Fui até o fim da linha mesmo, em todos os sentidos da palavra, e encontrei outra coisa: ULTRAPASSAR É POSSÍVEL....

Meus queridos, eu posso dizer: FIM DA LINHA.  E aí eu ACEITEI, e disse para mim mesma: agora quero ver, o que é viver sem ninguém, e ficar sem dinheiro.... O meu propósito de conhecimento e vida partiu deste ponto. Eu já não estava mais inserida numa família, não estava mais inserida num relacionamento afetivo, não estava mais inserida num ambiente profissional, e realmente fiquei com a irrisão deste ser... EU COMIGO MESMA, e daí????

E fui de ENCONTRO À VIDA.... fui de encontro às pessoas, não mais motivada por esse medo da solidão, medo de não sei mais o quê. Eu fui de encontro às pessoas ao meu redor, com o sentimento da minha presença e da presença do outro....

Hoje, estar só, não significa falta de SUCESSO na vida. Ou de eu me sentir uma pessoa não querida.... Longe disso. Estar sem dinheiro, não significa que a minha vida seja POBRE... Eu não sou pobre, eu tenho a dar as outras pessoas, a nível de sentimento, vida, sensibilidade....  Não tenho necessidade de prender as pessoas ao meu redor em razão da possibilidade de me encontrar sozinha....

Eu aceitei a minha condição humana, e não me deixo  enganar por falsos propósitos, e  elementos de manipulação humana. 

E, a aceitação e a RENÚNCIA, principalmente esta última, me colocam numa outra condição, de ser CRIATIVA... Porque eu vivo com poucas coisas materiais, e isso me faz também ser criativa no pouco que eu tenho, me torna uma pessoa hábil, porque eu tenho que criar os  meus meios... determinar os meus caminhos, realimentar a minha VONTADE E DISPOSIÇÃO TODOS OS DIAS, assim como a disciplina e determinação para alcançar e realizar um trabalho a contento....


quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Antonio Carlos Jobim - Falando De Amor

A PRESENÇA DE ELIAS MATTAR ASSAD - DENISE FRANÇA

Curitiba, 07 de fevereiro de 2013.


Dizem que antes do homem sempre vem o menino....

O menino nos indica muitas coisas, nos fornece caminhos.... Interrogamos o tempo, interrogamos a nossa falta de tempo para coisas como o AMOR, a AMIZADE, a necessidade alheia que suspende uma rosa de pedido em nossa direção, e não a enxergamos, e nas horas mais incautas, é este menino que nos dá a mão....

Confesso que vivi, Elias Mattar Assad.  E naquele dia  eu estava triste, e saí a andar pelas ruas de Curitiba, Largo da Ordem, era domingo, fui até a Igreja do Rosário....  Fiquei ali assistindo a missa, e depois saí, e vi na escadaria da igreja um menino, com uma caixa de papelão e dentro, dois filhotes de cachorro...

Sou bem recebida pelas crianças... O menino me olhou, e eu me sentei, puxei conversa, peguei um dos filhotes no colo, gosto muito de cachorros, e começei a conversar com aquele menino.... E ele me contou a seguinte história:

"Jogaram aqueles filhotes num boeiro aberto próximo a sua casa. Já não é a primeira vez.... E fazem isso porque eu pego os cachorros e cuido... Resolvi trazê-los à feira para adoção.... Minha mãe tem uma banquinha ali, estou com minha tia.... E espero que consiga um dono para esses cachorrinhos....".

A educação deste MENINO me impressionou à primeira vista.... A sensibilidade dele ainda mais.... A preocupação dele com a vida, muito mais.... E fiquei ali ao seu lado,  conversando.... E ele saiu por alguns minutos, eu fiquei no lugar dele, mostrando os filhotes às pessoas que paravam....  Depois ele retornou, e ficamos os dois... Até que chegou uma moça morena, e eu disse: ah pega, leva, olha só, ele vai trazer muita felicidade pra vc.... E, a mocinha realmente estava procurando  um filhote...

As coincidências são flutuantes na minha vida, me indicam uma direção, sempre.... A moça procurava um filhote e encontrou.... Ligou para seu namorado, e tudo foi decidido ali, ela ficou com o cachorrinho...

ESSE MENINO ESPECIAL, segurou o cachorrinho nas mãos antes de dar aquela moça, e deu um beijo no cachorrinho de despedida. Eu vi ali uma demonstração inusitada do FUTURO DAQUELE MENINO... 
Com certeza, PENSEI, causas NOBRES....

Um pouco antes, outro senhor, sentou-se na escadaria, com um cachorro GRANDE E MAJESTOSO, UM SÃO BERNARDO.... 

Quando me levantei para ir embora, me despedi do menino, e já não estava mais triste..... Acho mesmo que era para encontra-lo ali, e ter esperanças de futuro, o futuro de todos nós.... E então, passei em frente a este senhor e olhei para ele.

Eu olhei para o ELIAS, e percebi que ele não me era estranho.... Conhecia de algum lugar, ou o vi em algum lugar.... Fiz um comentário a respeito de seu cachorro.... Mas ele permaneceu calado, possivelmente nem percebeu que eu tinha dito alguma coisa.... E, como não queria ser inoportuna, disse tchau a pessoa que estava ao seu lado e fui embora....

Então, este era esse. E O MENINO ME DEU A MÃO.... E FOMOS OS DOIS....

As histórias que envolvem bichos, são sempre sinal benfazejo pra mim.... Encontro AMIGOS importantes nestas situações.... enfim...

A SEGUNDA VEZ que vi esse homem: ELIAS MATTAR ASSAD, eu estava da mesma forma, sentada no degrau da porta de uma loja, na RUA XV. Esperava um amigo, advogado e escritor, Martins Dagostim, com quem converso aos domingos, na Confeitaria das Famílias.... amigo de longa data, professor do CEFET, onde estudei nos anos idos de 1979....

Eu sentada ali, via a chuva, e inusitadamente, novamente, o ELIAS PASSOU com o seu SÃO BERNARDO... e as crianças ao seu redor....


A PRESENÇA DE ELIAS  me suscitou estes sentimentos... Não o conheço pessoalmente, muito pouco sei a seu respeito... Mas sei que o MENINO está ao seu lado....


terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

CONSTRUÇÃO e CONTRAÇÕES DE MIM - DENISE FRANÇA

Curitiba, 05 de fevereiro de 2013.

TEXTO DEDICADO AO DOUTOR FLÁVIO GIKOVATE.

As frias formas maneiristas daqueles que não ousam dizer o que nunca disseram.... E precisam sempre com urgência de alguém que os modele, e lhes incuta esta ou aquela forma de pensar... Esta ou aquela direção...

Há muito tempo atrás, quando lia a obra do Doutor Freud com secura d'alma, com vontade de saber, aquele texto: "O Id e o Ego"....  E lá pelas tantas: "onde isso era o eu deve advir..." . Quantas e quantos questionamentos sobre ISSO.  Eu entendi.

A vida me proporcionou saber mais: A VIDA É MAIS DO QUE ISSO. E sem dúvida alguma, somos únicos.  Olhamos ao espelho, um olhar parecido com o do papai, um jeitinho da mamãe.... sim, existem pontuações no corpo, do que vivemos e aprendemos desse outro...

O desejo do outro....  Sinto muito, sou mais do que Isso. Não sou a mamãe, nem o papai, nem a vontade do papai, nem a da mamãe, eu sou a construção de mim.  E não sinto culpa em dizer isso.

NÃO SINTO CULPA NENHUMA EM SER FELIZ.... EM SER FELIZ DESTA FORMA, A MINHA, ESCOLHIDA, LAPIDADA, QUESTIONADA, TRATADA, CUIDADA, QUERIDA.... 

SOU QUERIDA.  

NÃO ME "ENQUADRO" NOS TIPOS PSICOLÓGICOS... O meu esforço para este enquadre foi grande, sim, muitos anos da minha vida... procurando este enquadre, mas nem assim foi possível.  EU SOU DIFERENTE. 

QUERO MAIS.  TODOS OS DIAS A VIDA ME ATRAVESSA, EU ME RECONHEÇO SEM REMORSOS, SEM DESASTRE, SEM ESPECULAÇÃO CAPITALISTA, SEM CONSUMISMO...  

Observo que as pessoas que não me reconhecem são aquelas mesmas que gostariam que eu fosse: fosse isso, fosse aquilo, fosse não sei o quê (lá onde elas não chegam a ser, ou não conseguem ser....).  Apenas estas pessoas não me reconhecem. A AMIZADE ME RECONHECE, ASSIM COMO O AMOR FAZ RECONHECIMENTO DE MIM.... E ISSO BASTA.





O MEU CORPO NÃO TEM MEDO DISSO. O meu corpo é avesso e direito, transverso, possível e impossível, ontem, hoje e amanhã, sem ser OBJETO. Eu não deixo que me usem...

As células de minha natureza, brincam, respiram, alegres, versáteis, sem tristeza de mim. A manifestação da minha vida é exatamente coerente  com a efetividade de minha presença, não há contrariedade entre aquilo que digo e aquilo que faço.... Não costumo mentir para mim mesma....

E como não minto, e sou honesta, sinto prazer em viver, curtir a vida....  Sinto prazer no carinho, e gosto de fazer carinho.... sinto a intensidade do beijo, E MINHA ALMA SE SENTE UMEDECIDA, porque responde ao sentimento....  

As águas fluem no meu ser, o meu sangue pulsa. Se eu me apaixono, não me causa vergonha o corpo da vontade que te quer dentro de mim, mais um momento e outro momento, até o GOZO de nosso ENCONTRO. 

eu sou assim.... EU SOU AQUELA QUE SOU. 

Todas as manhãs acordo e me olho com ALEGRIA, não com tristeza. A imagem que vejo no espelho não é um equívoco, É VERDADE.  Se eu fosse uma pessoa que trama o mal para o outro, coloca armadilhas, fala pelas costas, cobra, julga, humilha o outro, aí sim, sentiria repulsa ao me olhar, me esconderia de mim mesma, e não conseguiria viver sozinha. Teria medo da minha própria sombra.... eu criaria uma aparência FALSA do que sou...

Eu sento em meu lugar, não desejo o lugar dos outros.  Se quiserem o meu lugar, eu cedo o espaço... Mas não é possível ser sem criação, sem construção, e sem presença.  A MINHA PRESENÇA CABE EM MIM.