Pesquisar este blog

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

David Gilmour, Roger Waters and Nick Mason back stage 2011

DIAS DE PAZ 03- DENISE FRANÇA

Curitiba, 22 de janeiro de 2013.


Minha cintura se desapega das coisas idas e o cós do horizonte abre esta possibilidade em mais.  O mar  materializa essa imagem de sonho onde somos admirados através do AMOR.

O beijo salgado, tua pele de águas encontra o contorno do meu corpo, por todos os lados este abraço. Me desabrigo de tudo o que penso nesta solicitação tua de presença e amor. Respondo quando tu me perguntas, eu também, como te amo.

COMO TE AMO.




Tua memória vêm bater em meu coração: quando. QUANDO. Diante de todas as possibilidades chegando ao meu encontro o tempo em todos da vida, retorno do fim sobre o mesmo princípio. Aspiração de tua inspiração.


Roger Waters -The Wall Live, London, 5 /17/ 2011

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

"É LEGÍTIMO LUTAR POR AMOR?" - DENISE FRANÇA

Curitiba, 25 de janeiro de 2013.

COMENTÁRIO a respeito do vídeo do Doutor Flávio Gikovate: É LEGÍTIMO LUTAR POR AMOR?"

Concordo com o Doutor em todos os sentidos....

Se o sujeito não aceita a decisão do outro de ir embora, romper, terminar o relacionamento, inevitavelmente se  utilizará de uma série de subterfúgios para reaver a relação... E se assim age, esses subterfúgios não serão justos, vai usar o que estiver a sua mão para conseguir retomar  a relação...

Esse tipo de conduta já descreve por sua própria natureza, uma relação de dependência emocional, e não maturidade afetiva... O sujeito que se utiliza de chantagem emocional, ou cobra atitudes no relacionamento a dois, cria um vínculo negativo, ou seja, endossa seu próprio endereço: VOCÊ É MEU!!!

Ninguém é de ninguém.... O amor que sentimos não nos dá nenhuma garantia de que a pessoa que está ao nosso lado vá estar ali sempre.... E é mesmo deste ponto, a partir deste ponto, liberdade de escolha, e aceitação de que o outro não nos pertence, que precisamos chegar, e para onde um relacionamento pode ir com mais saúde, mais qualidade de vida aos dois....

Amar melhor, significa para mim, não criar laços de dependência.... É um trabalho constante de renúncia, renúncia a este egoísmo primário e infantil, onde todo amor é calcado. Renúncia  à limitação do amor  à exclusividade própria, o que diminui toda possibilidade de vida e de liberdade humanas.

Eu sinto o amor da seguinte forma: o AMOR PASSA POR MIM, ME ATRAVESSA.... sinto o amor por esse homem, essa cota de afeto e essa disponibilidade de ama-lo me faz ir de encontro a ele, e conviver com esse homem...  Se a convivência for agradável e sustentável pode ir adiante anos a fio.... Do contrário, esse vínculo acaba. É desta forma que eu vejo. O sentimento, AMOR, não é propriedade minha, e muito menos a pessoa que me causa este sentimento....  

Se a pessoa resolve sair, ir embora: Vai. O AMOR continua existindo em mim, através de mim em direção a outras pessoas... Se a pessoa resolve ir embora, o AMOR NÃO ACABOU.... Acabou sim o vínculo afetivo. Existirá uma tristeza no início, mas essa tristeza deve e precisa estar implicada dentro da sua razão de ser, não devo e nem preciso estender esta tristeza a outras pessoas... Durará a tristeza o tempo necessário, e depois a vida continua....

A ilusão deve ser desfeita... E o sujeito precisa entender que o AMOR não é manipulável, eu coloco o amor aqui, e depois coloco ali, e depois não quero, e agora quero.... Devemos nos comprometer com o sentimento AMOR,  o quanto se faz presente em direção a alguém, mas a pessoa, o sujeito deve ser preservado, e deve ser assim PRESERVADO de todo nosso amor próprio, de onde provém o egoísmo, o ciúme, a inveja, a raiva, tudo aquilo que significa POSSE E RESTRIÇÃO À LIBERDADE DO OUTRO....

O AMOR NOS TORNA RESPONSÁVEIS PELA VIDA HUMANA, E NÃO O CONTRÁRIO!



quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Teca Calazans - Villa Lobos - Prelúdio da Solidão

DIAS DE PAZ - DENISE FRANÇA

Curitiba, 16 de janeiro de 2013.


A PAZ PERTENCE ÀS CRIATURAS QUE SABEM AMAR...

Volto mais uma vez ao espelho das águas, o sal no meu suor pertence a você. MAR-AMAR.

TOCO em tua contração infinita, teus impulsos, tua respiração, envolvem meu corpo, sinto o teu abraço, absolutamente te reconheço, ando como em tua maresia, minha solidão em teu deserto, este interminável lençol de areia me oferece o descanso, levo comigo em cada passo a existência e a lembrança do ontem, hoje e sempre.

Como te amo!

Recebo o teu sorriso todas as manhãs, sãos várias as formas da tua presença que se manifestam em cores, a sutileza deste novo tom que vem aparecendo à medida que te olho. Tuas pálpebras, o brilho do teu olhar, a suavidade do teu carinho, tua companhia em todos os meus momentos.

COMO TE AMO!

Todos os dias as ondas voltam sobre a incerteza,  o desconhecido, o impossível. Trazem as conchas neste movimento do fundo, do mais profundo, o segredo de agora. Basta eu te olhar. Todas as formas de eternidade, criadas e concretas no espaço do teu tempo, e entregues na areia, depositadas ali todas as manhãs, recuperando esse toque de ternura e fazendo presente e perene a tua dádiva. Tua vida.



EU SOU IRREMEDIAVELMENTE  APAIXONADA POR VOCÊ!

A tua maestria desenvolve todos os recursos e a minha  palavra nasce deste encontro com a origem do teu espírito. Eu me entrego, o meu corpo se entrega, respiro dentro de tua inspiração...  Não há mais limite e nem separação entre eu e você, amor.



segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

AS PESSOAS DO BEM SÃO MAIS FELIZES? - DENISE FRANÇA

Curitiba, 14 de janeiro de 2013.

COMENTÁRIO AO VÍDEO DO DOUTOR FLÁVIO GIKOVATE: "AS PESSOAS DO BEM SÃO MAIS FELIZES?"


Em primeiro lugar, gostaria de me desculpar com os internautas.  Descobri quando cheguei aqui na praia, através do meu querido professor e Diretor de Teatro, Lau Bark, que escrever em maiúsculas, caps look, significa GRITAR.... hahahahaha.....  Respondi a ele: POR ISSO QUE O MEU IBOPE NA INTERNET, ESTÁ ASSIM TÃO BAIXO!!!! 

No meu modo de entendimento, eu pensava apenas em ressaltar itens importantes..... hahahaha.

Se as pessoas do bem são mais felizes?! São.   

Estou sozinha aqui em Caiobá, prainha do Paraná. Nem por isso estou triste. Costumo ficar 10 a 15 dias aqui em baixo, uma vez por ano. Tenho essa necessidade de reabastecer minhas energias, e aceitar. Nesta minha condição de estar sozinha, me deparo com várias situações... 
Imaginem, a praia de Caiobá é frequentada por famílias.... Talvez eu seja a única pessoa aqui sem parentes. Em outros lugares, também estou sozinha... 

Isso não me causa mal-estar. Eu me aconchego neste lugar, em presença do MAR, e a toda minha vida me é dada em lembranças, em momentos, em passagens, transpasso outra vez esse mesmo limite. E constato que houve superação, entrega, lealdade, amizade, e outros sentimentos positivos...

Mas esse ano me aconteceu um fato novo. Estava aqui e minha sobrinha me enviou uma mensagem, convidando para ir a sua casa, aqui em Matinhos, ao lado de Caiobá.  
No outro dia, levantei cedo, caminhei de Caiobá até Matinhos, e encontrei o endereço dela. Passei na panificadora, e levei os pães para tomar café com meu irmão, JESSÉ. 

Fazia muito tempo que não via a todos. Em razão de um problema familiar. Porque JESSÉ é meu irmão por parte de pai, sua mãe morreu no parto, ele foi criado pelos avós maternos.... Desde então esse menino viveu uma vida praticamente na estrada, caminhoneiro, além da falta de uma família.... Mas Jessé se casou com Márcia, e teve duas sobrinhas MA-RA-VI-LHO-SAS, lindíssimas, por dentro e por fora.... Uma delas, a Sílvia, é minha afilhada....

Cheguei e logo vi o Jessé e a Márcia no jardim....  Conheci este irmão, somente aos 17 anos de idade. E INEXPLICAVELMENTE, sinto por ele um carinho, um amor, muito grandes. E firmei ali naquele momento um pacto, de amar meu irmão para SEMPRE.  

Passei o dia na casa deles, conversando, brincando, cantando.... e no outro dia, estive ali, para mais um café da manhã ao lado do meu querido irmão.

Estou contando este fato porque eu fiquei pensando: "É assim tão difícil para algumas pessoas um gesto em direção ao outro, que proporcione aconchego, paz, carinho, amizade, compromisso de solidariedade????" 

Para algumas pessoas, o orgulho vem em lugar da possibilidade de uma vida nova. Orgulho que levam até o fim, e que faz perderem em muito, grandes pessoas em suas vidas.... 

Então,  nesse pequeno e humilde gesto de ir em direção ao outro, eu reabilitei um caminho, uma direção, uma conciliação. Porque na verdade, nem eu, e nem meu irmão, Jessé, somos culpados das coisas do passado, dos problemas criados por outras pessoas, que ao longo da vida criam situações de desconforto, de angústia, de separação, etc.

Olhando minha vida, me sinto FELIZ! Porque em nenhum momento criei situações de separação, de briga entre pessoas, ou coisas do tipo. A minha presença na vida das pessoas girou em torno da amizade, e não do interesse material. Em torno da compreensão, da solidariedade, do carinho.... Por isso, não tenho motivos para me sentir infeliz, ou triste. Mesmo quando me encontro sozinha.




E descubro mais uma vez que o grande fator de separação em todas as famílias, ou em outros lugares, é uma coisa chamada DINHEIRO, status, e outras coisas afins.  Brigam por herança, separam amizades, casais, etc e tal, em razão da inveja, e uma série de coisas. 

E DESCUBRO, o DINHEIRO NÃO TEM PODER SOBRE A VIDA. 

Reafirmo isso todos os dias.... A FELICIDADE vem de outros fatores, ligados à PRESENÇA, COMPANHIA, AMIZADE, CARINHO, respeito pela realidade de vida da outra pessoa, e assim por diante. 

E essa sensação de bem-estar é bem vinda quando realmente é autêntica e verdadeira. Foi recebida pela família dele com muito carinho, o que me deixou muito feliz... Eu sinto que sou IRMÃ DO JESSÉ. E tanto eu quanto ele, nos preocupamos um com o outro, temos a preocupação de cuidar e velar desta alegria e desta presença.

ISSO É O AMOR...



quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Café Filosófico: Flávio Gikovate - A Felicidade Depende Do Auto-Conhecim...

AS PESSOAS MUDAM? - DENISE FRANÇA

Curitiba, 02 de janeiro de 2013.

COMENTÁRIO A RESPEITO DO VÍDEO DO DOUTOR FLÁVIO GIKOVATE:  "AS PESSOAS MUDAM?"

Não sei se as pessoas mudam, mas sei que é possível mudar. A dificuldade da mudança se encontra na sedimentação egoica do sujeito. Ou seja, ele pensa que é exatamente aquilo que pensa, está soldado numa aparência de ser, vê a realidade conforme o lugar onde se encontra.

Ora, o primeiro passo para a mudança, é sair deste lugar, é observar a própria linha de pensamento e raciocínio, observar a intenção que o leva a assumir esta ou aquela conduta. Ora, aquele que observa já não é o mesmo que executa a ação. 

VIVEMOS sem a noção do que fazemos e do que somos. Corrigimos a nossa identidade segundo informações e ordens que vem de fora, de terceiro. Ou segundo informações que fabricam modelos de identificação, sócio-cultural, etc e tal. 

Só começamos a admitir que não somos exatamente isso, quando estamos sozinhos, e aí nos deparamos com o silêncio e a solidão. Existem pessoas que entram em pânico quando se encontram sozinhas, sem acesso a outras pessoas. Desse estado de solidão brotam a ansiedade e a angústia, porque o mundo se transforma repentinamente numa incerteza. 

Nesse sentido, observamos o quanto o ser-humano procura recursos para se manter dentro de sua MESMICE, e para se refugiar em grupos ou bandos. 

SE este sujeito humano, consegue vencer este primeiro obstáculo, ele consegue dar o primeiro passo em relação à mudança. Ele passa a ocupar um outro lugar, e passa a considerar a realidade de um outro ponto de vista.... E assim pode renunciar a sentimentos anteriores a esse estado, a atitudes anteriores a esse lugar. 

E ASSIM SUCESSIVAMENTE, consegue desconstruir essa identidade cristalizada, e passa a assumir outras possibilidades. 

E tudo depende de um exercício diário. Sair literalmente do lugar, andar por lugares diferentes, conhecer pessoas diferentes, escutar essas pessoas, procurando não tecer um julgamento. Conviver com pessoas diferentes, frequentar outras realidades. 

Isso tudo nos possibilita tornarmos mais flexíveis.... E essa flexibilidade é exatamente proporcional aquilo que o nosso corpo passa a sentir, as emoções, sentimentos, percepções. 
Um corpo flácido, por exemplo, só se tornará RESISTENTE, a partir de um esforço físico. Não existe nenhuma pílula milagrosa para tornar um corpo consistente, adquirindo tônus muscular, senão através do exercício físico. 
Esta mesma modulação, para o sentimento. Quando somos capazes de aceitar uma outra realidade, admitir a existência de coisas e pessoas diferentes, pensamentos diferentes, assim também nos tornamos mais sensíveis, mais humanos...

MEU PRÓPRIO CASO:

EU VIVI MUITOS ANOS SEM PODER SAIR DE CASA, SOZINHA  CHEGUEI AO PONTO DE NÃO CONSEGUIR ATRAVESSAR UMA RUA... EM DEPRESSÃO PROFUNDA... LOGO APÓS UMA SEPARAÇÃO, E OUTROS FATORES....  

AGORAFOBIA:

Eu vivi essa situação na pele, um medo inexplicável, e mesmo diante de todas as tentativas e explicações para essa sensação de medo, eu dizia a meu analista: já lhe disse tudo que podia, já tentei tudo, mas infelizmente, já não encontro mais nada que possa resolver este problema.... E eu disse isso a ele, realmente do fundo do meu coração, porque era inexplicável....

Meu pai naquela época, me levava de carro até o psicanalista.... Era uma TORTURA, até chegar ao psicanalista, eu ouvia tantas coisas por parte do meu pai, tantas coisas insólitas e inoportunas, que era bem pior me conduzir até lá em companhia do meu pai, do que chegar lá sozinha....

E REALMENTE EU CHEGUEI AO PONTO DA INSUPORTABILIDADE DESTA SITUAÇÃO!!!!

Um dia, quando comecei a escuta-lo reclamar, resolvi dizer: NÃO, HOJE EU VOU SOZINHA.

EU pensei, a única coisa que vai me acontecer, é cair na rua, e se isso acontecer, alguém vai providenciar um socorro, só isso. DANE-SE.

E FUI. ABRI o portão de casa e comecei a andar.... Vocês acreditem, uma sensação terrível, eu praticamente dava cada passo como se estivesse andando num atoleiro.... E sentia atrás de mim uma espécie de gosma que me impedia de andar adiante.... Mesmo com todo esse sofrimento e dificuldade, eu me arrastava passo a passo... E FUI....

CHEGUEI LÁ, no Velloso, sozinha. E a sensação de angústia, medo, ansiedade continuava... Mas, dia após dia, enfrentei esta situação, até que desapareceu todo o medo e receio....

ENTÃO, MEUS QUERIDOS LEITORES, EU PERCEBI O ÓBVIO: NÃO TINHA MEDO DE SAIR DE CASA SOZINHA, TINHA MEDO DO MEU PAI.....

hahahahahahaha... 

TODO MEDO tem uma razão de ser.... Todo medo é explicável, e nós não adquirimos medo senão em razão dos outros que nos provém desde o princípio. E PRINCIPALMENTE, A CRENÇA QUE TEMOS NAQUILO QUE NOS É DITO, EM SE TRATANDO DE UMA AUTORIDADE.

Precisamos aprender a questionar a AUTORIDADE, e verificar o grau de sensatez, o valor de realidade daquilo que nos é ordenado por terceiros, como regra, e como valor a ser seguido.... 

HOJE, não sinto absolutamente medo de nada, vivo sozinha há muitos anos,  frequento todo e qualquer lugar, converso com todo tipo de gente, e cada vez mais me é agradável  o relacionamento humano e a convivência.  Os problema me aparecem de fora, do exterior, e são solucionáveis. Não tenho mais a sensação de um problema interior, ou algo que está não resolvido em mim. 

E É PRECISO MUITA CORAGEM PARA TAL.... MAS NADA É IMPOSSÍVEL. Tudo aquilo que vivemos nesta vida, são possíveis. O medo irracional que uma pessoa possa sentir, é  nada mais do que uma  crença que não suporta contrariedade.... 

E o mais importante de tudo isso, é a disposição da pessoa para assumir a dificuldade, aceitar o problema, e encontrar uma solução. A HONESTIDADE CONSIGO MESMO.






FELIZ ANO NOVO 2013!!! - DENISE FRANÇA